Se você não sabe o que é Big Data, é bom se atualizar.

Afinal, esse é um conceito que veio para ficar e ganha cada vez mais importância neste mundo informatizado.

Ainda que esse assunto seja novo para você, de alguma forma, ele já faz parte da sua vida, mesmo que não tenha se dado conta.

Mas não se preocupe!

Neste artigo, vamos abordar não só o significado de Big Data como também a sua serventia e aplicação nos dias de hoje. Continue lendo e confira.

Comece sua graduação EAD agora mesmo! Inscreva-se grátis.

O que é Big Data?

Big Data é um conceito desenvolvido na área de TI que se refere à capacidade de processamento e armazenamento de um grande conjunto de informações.

Só para se ter uma ideia, um estudo patrocinado pela Seagate estima que o volume de dados gerados ultrapassará a casa dos 160 zettabytes até 2025.

Para dar conta de todas essas informações, o Big Data se baseia em cinco pilares, os chamados 5 Vs:

  • Volume: tem a ver com a quantidade de dados coletados, seja em qual fonte for
  • Velocidade: é o quão rápido esse conjunto de informações consegue ser tratado
  • Variedade: diz respeito ao formato desses dados, que pode ser estruturado (bancos tradicionais) e não estruturado (áudios, vídeos, operações financeiras)
  • Valor: está relacionado com a utilidade das informações, a sua relevância
  • Veracidade: atesta se os dados são verdadeiros ou não.

História

A origem do termo “Big Data” é um tanto confusa.

Alguns especialistas afirmam que o conceito começou a ser empregado em 1997 para se referir à grande quantidade de dados gerados a partir de dispositivos e plataformas virtuais.

No entanto, quem definiu os três primeiros pilares (volume, velocidade e variedade) foi o analista Doug Laney, no início dos anos 2000.

Agora, a primeira publicação oficial a apresentar o conceito Big Data foi feita por Rogers Magoulas, da O’Reilly Media, na criação da Web 2.0.

Qual é a importância do Big Data para a sociedade?

O Big Data tem uma importância fundamental para o sucesso de uma empresa e o bem-estar da sociedade em geral.

Em um negócio, ele pode ser útil na área de marketing (mapeando o comportamento do consumidor), no setor financeiro (prevendo variações do mercado) e nas vendas (promovendo a fidelização dos clientes).

Saindo do meio corporativo, imagine o que o Estado pode fazer com essa capacidade de processar um grande volume de dados.

É possível, por exemplo, analisar as principais carências de uma região e criar políticas públicas para amenizar esses problemas.

Como funciona o Big Data?

O funcionamento do Big Data pode ser resumido em sete etapas:

  1. Concepção: o objetivo a ser atingido com o Big Data
  2. Coleta: a definição dos bancos de dados e o início da coleta
  3. Pré-processamento: a varredura dos dados
  4. Mineração: o processamento das informações de acordo com o objetivo traçado
  5. Análise: a avaliação dos dados para o embasamento da tomada de decisões
  6. Interpretação: a compreensão do valor das informações
  7. Integração: a criação de mecanismos para que esses dados sejam analisados de forma sistemática, e não apenas pontualmente.

Quais são os tipos de Big Data?

Já sabemos que quanto à variedade dos dados, eles podem ser definidos como estruturados e não estruturados.

Mas essa não é a única distinção, como destacamos a seguir.

Social data

São aqueles dados originados a partir das pessoas.

Eles ajudam a, por exemplo, traçar perfis e identificar comportamentos, facilitando ações mais bem orientadas.

Os comentários feitos nas redes sociais são um exemplo de social data.

Enterprise data

São aqueles dados obtidos pelas empresas e seus diferentes setores.

Eles colaboram para o reconhecimento de falhas e o aumento do desempenho.

Os balanços financeiros e os relatórios do RH são exemplos de enterprise data.

Personal data ou data of things

São aquelas informações colhidas em dispositivos conectados à internet, como smart TVs e smartwatches, por exemplo.

Ou seja, o principal banco de dados é a chamada Internet das Coisas.

Em quais áreas um profissional de Big Data pode atuar?

Se você está se interessando por Big Data a partir desta leitura ou já tinha uma inclinação pela área, a boa notícia é que o mercado de trabalho para esse tipo de profissional é bastante vasto. Confira!

Administração

Um CEO ou uma liderança corporativa que tem conhecimento de Big Data sai na frente dos demais, pois vai balizar suas decisões pelo que as informações mostram.

Sendo assim, você pode atuar na administração de um negócio e ainda gerenciar os bancos de dados da empresa.

Desenvolvimento

Já a área de desenvolvimento trabalha mais diretamente com a criação de soluções em Big Data.

Nesse caso, você vai desenvolver projetos para os sistemas de gestão dos indicadores.

Uma carreira promissora aqui é a de arquiteto de ferramentas de visualização de dados, ou seja, criar dispositivos que permitam automatizar e condensar todo o volume de informações em uma única solução, como um gráfico, por exemplo.

Ciência ou análise de dados

É o profissional responsável por não apenas processar os dados como também interpretá-los para que sejam relevantes aos objetivos das empresas.

Essa carreira possibilita uma série de especializações, como analista de Machine Learning, consultor em Inteligência Artificial, estatístico e gerente de analytics.

Existe curso de Big Data? Como funciona?

Sim, o curso existe e é um dos mais procurados na UNIFEOB EAD. A formação em Big Data e Inteligência Analítica funciona assim:

Disciplinas

Módulo 1:

  • Introdução ao Big Data e à Internet das Coisas
  • Arquitetura e Organização de Computadores
  • Projeto Integrador I-A.

Módulo 2:

  • Tópicos Especiais
  • Produção Discursiva: Oralidade e Escrita no Ensino Superior
  • Projeto Integrador I-B.

Módulo 3:

  • Pensamento Computacional
  • Fundamentos de Redes de Computadores
  • Projeto Integrador II-A.

Módulo 4:

  • Empreendedorismo
  • Programação Orientada a Objetos
  • Projeto Integrador II-B,

Módulo 5:

  • Comunicação de Dados
  • Algoritmos e Estrutura de Dados
  • Projeto Integrador III-A.

Módulo 6:

  • Introdução à Inteligência de Negócios
  • Redes sem Fio e Comunicação Móvel
  • Projeto Integrador III-B.

Módulo 7:

  • Métodos Quantitativos Estatísticos
  • Interface Humano-Computador
  • Projeto Integrador IV-A.

Módulo 8:

  • Inteligência Artificial
  • Modelagem e Desenvolvimento de Dados
  • Projeto Integrador IV-B.

Módulo 9:

  • Data Warehouse
  • Banco de Dados Não Relacional
  • Projeto Integrador V-A.

Módulo 10:

  • Data Mining
  • Infraestrutura de Big Data
  • Projeto Integrador V-B.

Módulo 11:

  • Gestão de Projetos
  • Segurança em Sistemas Computacionais
  • Projeto Integrador VI-A.

Módulo 12:

  • Administração Estratégica
  • Cloud Computing
  • Projeto Integrador VI-B.

Duração e carga horária

O curso tem duração de seis semestres, cada um com uma carga horária de 400 horas.

Portanto, ao final da graduação, o aluno terá tido 2.400 horas/aula.

>>> Melhores cursos EAD para quem mora em cidades pequenas

Quem pode se especializar em Big Data?

Qualquer pessoa que tenha o interesse de trabalhar com o processamento e a análise de dados pode se especializar em Big Data.

Para quem é indicado?

Profissionais que já atuam na área de tecnologia da informação são os mais indicados para seguir essa carreira.

No entanto, nada impede que especialistas em marketing, finanças, vendas e comunicação busquem a formação em Big Data.

Qual é o perfil do profissional?

Quem deseja seguir a carreira de cientista de dados precisa ter ou estar disposto a desenvolver algumas características básicas, como:

  • Análise crítica para saber interpretar bem as informações
  • Linguagem computacional de programação para decifrar códigos
  • Interesse por novas tecnologias e de atualização constante
  • Capacidade de prever e antecipar riscos
  • Liderança para a tomada de decisões e resolução de problemas.

O que um cientista de dados faz?

Um cientista de dados é aquele profissional que vai minerar as informações.

Acessar esses indicadores é a tarefa mais simples, o complicado é organizá-los e fazer a interpretação correta para que sirvam de parâmetro para as decisões.

Por isso, ele deve ser analítico, estratégico e grande conhecedor dos objetivos organizacionais da empresa em que trabalha.

Quanto ganha um cientista de dados?

O salário de um cientista de dados pode variar conforme a sua experiência e o porte da empresa em que trabalha.

Segundo uma estimativa feita pela plataforma de vagas Glassdoor, o rendimento médio desse profissional é de R$7.288,00.

Projeções para o mercado de trabalho de Big Data

Muita gente aponta os dados como o petróleo da era moderna.

A informação, hoje em dia, é o grande combustível do mundo, com um potencial gigante.

Portanto, quem souber analisar e interpretar esses indicadores está em uma posição de destaque no mercado de trabalho.

Além do mais, por ser uma área relativamente nova, ainda existem poucos profissionais consolidados.

Em outras palavras, você pode ser um especialista em um terreno extremamente fértil.

Big Data está entre as profissões do futuro?

Todas essas informações credenciam o profissional que trabalha com Big Data como um dos mais requisitados do mercado.

Uma pesquisa recente feita pelo LinkedIn colocou a carreira de cientista de dados como uma das cinco profissões do futuro.

Ou seja, se você estava em dúvida, é o momento ideal de investir na área.

Conclusão

Não importa a carreira que você deseja seguir, a UNIFEOB tem o curso ideal para a sua formação.

Ao todo, são 19 cursos EAD e semipresenciais para escolher e buscar o seu lugar de destaque no mercado de trabalho.

Tudo isso com mais de 50 anos de história, formando gerações de profissionais capacitados.

Venha você também fazer parte desse time seleto!

Comece sua graduação EAD agora mesmo! Inscreva-se.

Inscreva-se no nosso Blog

Comece sua graduação EAD agora mesmo! Inscreva-se grátis.

O que você achou dessa publicação?

Deixe o seu comentário abaixo.

BUY On HUBSPOT